José Mojica Marins (São Paulo, 13 de março de 1936), é um cineasta, ator, roteirista de cinema e televisão brasileiro. Mojica também é conhecido como Zé do Caixão, seu personagem mais famoso. Embora Mojica seja conhecido principalmente como diretor de cinema de terror, teve trabalhos anteriores cujos gêneros variavam entre faroestes, dramas, filmes de aventura, dentre outros, incluindo filmes do gênero pornochanchada, filmes de comédia-sexo soft-core populares, no Brasil, durante aquela época.[1] Mojica desenvolveu um estilo próprio de filmar que, inicialmente desprezado pela crítica nacional, passou a ser reverenciado após seus filmes começarem a ser considerados cult no circuito internacional. Mojica é considerado como um dos inspiradores do movimento marginal no Brasil.
Filmes:
Como diretor
1945 - A Mágica do Mágico
1946 - Beijos a Granel
1947 - Sonhos de Vagabundo
1948 - A Voz do Coveiro
1955 - Sentença de Deus (inacabado)
1958 - A Sina do Aventureiro
1962 - Meu Destino em Tuas Mãos
1963 - À Meia-Noite Levarei Sua Alma
1965 - O Diabo de Vila Velha
1966 - Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver
1967 - O Estranho Mundo de Zé do Caixão
1968 - Trilogia do Terror
1969 - O Despertar da Besta
1971 - Finis Hominis
1972 - Dgajão Mata para Vingar
1972 - Quando os Deuses Adormecem
1972 - Sexo e Sangue na Trilha do Tesouro
1974 - A Virgem e o Machão
1974 - Exorcismo Negro
1975 - O Fracasso de Um Homem nas Duas Noites de Núpcias
1976 - Como Consolar Viúvas
1976 - Inferno Carnal
1976 - Mulheres do Sexo Violento
1977 - A Mulher Que Põe a Pomba no Ar
1977 - Delírios de um Anormal
1977 - A Estranha Hospedaria dos Prazeres
1978 - Mundo-Mercado do Sexo
1978 - Perversão
1980 - A Praga
1981 - A Encarnação do Demônio
1983 - Horas Fatais - Cabeças Cortadas (Horas Fatais)
1984 - A Quinta Dimensão do Sexo
1985 - 24 Horas de Sexo Explícito
1986 - Dr. Frank na Clínica das Taras
1987 - 48 Horas de Sexo Alucinante
1994 - Demônios e Maravilhas
1996 - Adolescência em Transe
2004 - Fim (curta metragem)
2008 - Encarnação do Demônio
 Como ator
1960 - Éramos Irmãos (de Renato Ferreira)
1966 - O Diabo de Vila Velha (Armando de Miranda e Ody Fraga)
1969 - O Cangaceiro Sem Deus (de Oswaldo De Oliveira)
1970 - O Profeta da Fome (de Maurice Capovila)
1977 - O Abismo (de Rogério Sganzerla)
1977 - O Vampiro da Cinemateca (de Jairo Ferreira)
1978 - A Deusa de Mármore (de Rosângela Maldonado)
1980 - Chapeuzinho Vermelho (de Marcelo Motta)
1982 - O Segredo da Múmia (de Ivan Cardoso)
1984 - Padre Pedro E a Revolta das Crianças (de Francisco Cavalcanti)
1985 - O Filho do Sexo Explícito (de Francisco Cavalcanti)
1986 - A Hora do Medo (de Francisco Cavalcanti)
1987 - As Belas da Billings (de Ozualdo Ribeiro Candeias)
1987 - Horas Fatais (de Francisco Cavalcanti e Clery Cunha)
1989 - Dama de Paus (de Mário Vaz Filho)
1990 - O Gato de Botas Extraterrestre (de Wilson Rodrigues)
1996 - Babu e a Vingança Maldita (de Cesar Nero)
1997 - Ed Mort (de Alain Fresnot)
1997 - A Filha do Pavor (de Andréa Pasquini)
2001 - Dr. Bartolomeu e a Clínica do Sexo (de Mário Lima e Tom Camps)
2001 - Tortura Selvagem - A Grade (de Afonso Brazza)
2004 - Um Show de Verão (de Moacyr Góes)
2004 - Lâmia , Vampiro! (de Rubens Mello)
2005 - A Marca do Terror (de Ivan Cardoso)
2009 - A Cruz e o Pentagrama (de Cesar Nero)
Prêmios:
Filme:À Meia-Noite Levarei Sua Alma
Prêmio Especial no Festival Internacional de Cine Fantástico y de Terror Sitges (Espanha), em 1973;
Prêmio L’Ecran Fantastique para originalidade, em 1974;
Prêmio Tiers Monde da imprensa mundial, na III Convention du Cinéma Fantastique (França), em 1974.

Filme:Ritual dos Sádicos (O Despertar da Besta)
Melhor ator (José Mojica Marins) e Melhor Roteiro (Rubens Lucchetti), no Rio-Cine Festival, em 1986.

Filme:Encarnação do Demônio
Troféu Menina de Ouro de Melhor filme de ficção por júri oficial e crítica, Melhor fotografia (José Roberto Eliezer), Melhor montagem (Paulo Sacramento), Melhor edição de som (Ricardo Reis), Melhor direção de arte (Cássio Amarante) e Melhor trilha sonora (André Abujamra e Marcio Nigro) no 1º Festival Paulínia de Cinema, em 2008;
Melhor Diretor de Cinema (José Mojica Marins), no 2º Prêmio Quem de Cinema, 2008;
Melhor Direção de Arte (Cassio Amarante) e Prêmio Especial de Atuação pelo Conjunto da Obra, no Prêmio de Cinema do Paraná, 2008;
Indicação a Melhor Direção de Arte (Cassio Amarante) e Efeitos Especiais (Kapel Furman, Rogério Marinho, Robson Sartori), no Grande Prêmio Vivo do Cinema Brasileiro, 2008;
Melhor Melhor Ator (José Mojica Marins) e Melhor Direção de Arte (Cassio Amarante), tendo sido indicado a Melhor Direção (José Mojica Marins), Melhor Roteiro (Dennison Ramalho e José Moijica Marins), Melhor Atriz (Cléo de Paris), Melhor Ator Coadjuvante (Jece Valadão), Melhor Atriz Coadjuvante (Helena Ignez) e Melhor Trilha Sonora (André Abujamra e Marcio Nigro), no V Prêmio FIESP/SESI-SP de Cinema Paulista, em 2009;
Prêmio de Melhor Fotografia (José Roberto Eliezer) e indicado a Melhor Filme, no Prêmio Contigo de Cinema;
Segundo lugar no Fant-Asia Film Festival, na categoria de Melhor Filme Internacional, em 2009;
Prêmio do Júri Carnet Jove do Sitges - Catalonian International Film Festival, em 2008.

Outros Prêmios:

Prêmio Fantasporto por Carreira e Conjunto da Obra, em 2000.

 

Os Filmes que pertencem aos anos 50 e 60   estão com link para você ver mais sobre os mesmos

ÍNDICE
 

Música:chega-de-saudade Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes-1958